terça-feira, 9 de junho de 2009

Blogagem Colectiva - Aldeia da minha vida - Ouguela


Sempre fui um "menino da cidade".
Não tenho nenhuma Aldeia da Minha Vida.

Quando tinha 12 anos e vim com meus pais de férias a Portugal (eu vivia então em Angola) e meu Pai perguntou-me:
- Então que queres conhecer ?
Respondi:
- Monumentos !
E passámos as férias, praticamente todas, a percorrer o país.

O património histórico cultural português foi, desde sempre, um dos meus grandes interesses. Daí o facto de ter aderido a esta Blogagem Colectiva. Parabéns, Susana, pela iniciativa.

Aqui segue a minha modesta colaboração:


Ouguela

Ouguela é uma povoação da freguesia de São João Baptista, no concelho de Campo Maior, a 10 km da sede de concelho. Conta com cerca de 60 habitantes. Situada num monte escarpado, a 270 m de altitude, conserva intramuros casas dos sécs. XVII e XVIII.



Esta simpática aldeia fronteiriça, tendo um grande peso na História de Portugal está hoje em completo abandono, degradando-se dia a dia. É pena, pois o seu castelo é de uma beleza extrema e será uma grande perda o seu desmoronamento.

Sofre da desertificação, característica das zonas do interior do país, restando em condomínio dentro do castelo quatro ou cinco casais idosos, aqueles que ainda vão sobrevivendo à custa dos produtos que a terra lhes oferece.



No reinado de D. Dinis, a vila de Ouguela foi tornada portuguesa, pelo Tratado de Alcanizes. Depois do acordo com o rei de Castela, mandou-se reedificar o castelo.

Teve foral dado por D. Dinis a 5 de Janeiro de 1298, renovado por D. Manuel em 1 de Junho de 1512, retendo até à reforma administrativa de 1836 o estatuto de vila sede de concelho independente, altura em que foi integrada no vizinho concelho de Campo Maior. Entretanto, dado o seu declínio, cerca de um século depois, em 1941, foi anexada, como mero lugar, à freguesia de São João Baptista.



O seu castelo foi uma das praças-fortes que defendia periodicamente o Alto Alentejo das invasões castelhanas. Foi mandado edificar à roda de 1300, e cercado durante a crise de 1383-85, a Guerra da Restauração (1642 e 1662, tendo desta feita sido ocupado), a Guerra da Sucessão de Espanha (1709) e a Guerra das Laranjas (1801, ano em que foi de novo ocupado).

Dentro da muralha, a maioria das casas foram antigos quartéis ou habitações das famílias dos militares. A muralha do castelo apresenta um sistema de baluartes, adaptado às técnicas novas de pirobalística que foram surgindo. A muralha antiga tem revelins, parapeitos, cortinas e avançados ângulos.



No ano de 1475, Ouguela foi atacada pelos castelhanos.
O ataque terminou num duelo entre João da Silva, camareiro-mor do príncipe D.João II e alcaide de Ouguela e João Fernandes Galindo, alcaide-mor de Albuquerque, vizinha em Espanha.
Em resultado da luta ambos morreram, João Fernandes Galindo logo, e João da Silva aos vinte e oito dias depois, sem que houvesse mais derrame de sangue de ambas as partes.

Outra lenda conta que, estando Ouguela cercada durante uma guerra, não se sabe qual, e não havendo possibilidade de contactar Campo Maior para pedir reforços, uma criança desceu pela figueira que se encontra ainda hoje pegada á muralha do castelo, transportando consigo a Bandeira e uma mensagem escrita. A criança que costumava brincar com um tamborzinho, conseguiu ultrapassar as linhas inimigas sem levantar suspeitas e correu até Campo Maior onde entregou a mensagem no hospital.
Esta lenda é hoje conhecida pela lenda do Tamborzinho e julga-se ter tido origem num facto real.



O castelo de Ouguela apresenta-se como um miradouro de eleição com uma paisagem a perder de vista.





Dada a existência de poucos recursos, Ouguela torna-se assim um lugar isolado face à relativa proximidade da vila de Campo Maior. Este isolamento/esquecimento por parte das entidades competentes é notório no estado de conservação deste belo exemplar arquitectónico de forma hexagonal irregular, com muralhas de xisto e granito, que, mesmo assim, vale a pena visitar. (Fonte: Wikipédia)


24 comentários:

  1. Jorge,

    não é verdade que seja uma "modesta" participação! Gostei de conhecer sua ALDEIA por opção!

    Forte abraço.

    Andas muito sumido!

    ResponderEliminar
  2. Eduardo
    Realmente tem razão. Tenho andado sumido mais por uma questão de saturação do que por trabalho.
    Por outro lado, o sol e as temperaturas amenas do Algarve chamam mais para o rua e para a praia do que para os computadores.
    Mas vou voltar.
    Obrigado pela visita e pelo comentário.
    Abraço
    Jorge

    ResponderEliminar
  3. Jorge,
    É verdade que escolhemos a mesma aldeia, coincidência notável para uma povoação que, parece-me, é pouco conhecida. No meu caso, porque vivo em Campo Maior, a escolha foi mais ou menos óbvia.
    No entanto, a abordagem que fizemos é bastante diferente. E ainda bem para Ouguela.
    Cumprimentos
    Júlia

    ResponderEliminar
  4. Júlia
    Realmente também acho que as nossas abordagens se complementam e completam o olhar sobre essa terra meio perdida e que merece que outros olhares se fixem nela.
    Eu estive aí a passar um fim de semana magnífico.
    Tenho "costela" alentejana o que me prende definitivamente ao Alentejo.

    ResponderEliminar
  5. Ora ai está a beleza das blogagens! A possibilidade de encontrarmos outros pontos de vista diferentes sobre o mesmo tema, que acabam por se complementar! É isso mesmo, Júlia.

    Parabéns aos dois!

    Jorge: Obrigada por acreditares, desde o início neste projecto, que ameu ver está muito interessante.

    A votação começa amanhã, dia 10 e acaba dia 28 de Junho.

    Vamos ter bastente tempo para ler e reler todos os textos, para depois escolheremos o melhor, não é verdade?

    Bjs Susana

    ResponderEliminar
  6. Ena!!! bela participação :)
    empenhou-se no trabalho histórico e merece nota 21 :)
    e foi bom conhecer mais uma aldeia de Portugal e essa por sinal bem histórica. Pena estar tão em ruínas... mas é assim por todo o Portugal... muito pouco empenhamento da Cultura portuguesa. Só quando há derrocadas vão a correr reconstruir...enfim!
    E fica rodeada de uma paisagem muito bonita. Gostei. Parabéns Jorge! Valeu a pena participar :)
    Beijinho

    ResponderEliminar
  7. Ouguela e Noudar, junto ao rio Xévora, são lugares absolutamente míticos e imperdíveis. Aprendi aqui muito. Dois alcaides que lutam entre si e resolvem a guerra. A lenda do Tamborzinho, muito semelhante à lenda do Menino Jesus da Cartolinha, em Miranda do Douro. Muito interessante. Parabéns e excelente escolha.

    ResponderEliminar
  8. Muito boa a sua blogagem, e muito bem documentada.
    Parabéns. A minha está muito pobrezinha, socorri-me da memória e do que me contaram quando lá estive. Falaram-me também de uma lenda de bruxas ligada ao Castelo, mas já não consigo recordar bem.
    Agora fiquei com muita vontade de conhecer Ouguela, aldeia de que nunca tinha ouvido sequer o nome.
    Um abraço, boa sorte, e muito obrigada pela visita.

    ResponderEliminar
  9. Imagens muito bonitas e texto a condizer!

    Esta participação para mim, está a valer, pelas aldeias que vou encontrando e anotando no bloco das próximas viagens!

    Parabéns!

    ResponderEliminar
  10. Viva, Jorge!

    Bela, sucinta e esclarecedora monografia de Ouguela.

    Assim, vamos conhecendo mais um pouco deste país, tão pequeno, mas tão difícil de conhecer, pela diversidade e beleza.

    Abraço

    Ruben

    ResponderEliminar
  11. Jorge,

    Muito obrigada pelo seu comentário!
    A sua participação não tem nada de modesta. Bem pelo contrário, está magnífica. Belo texto e belíssimas imagens.
    Escolheu, também, uma "terra" em vias de extinção!!! Quantas mais existem por aí sem que se saiba? Esta é a triste realidade de um país mal amado!
    Beijo e parabéns!

    ResponderEliminar
  12. Amiga Jorge
    Tem aqui um belo blog que como sabe sigo a uns meses.
    É bom sabermos que estamos colectivamente a participar na blogagem colectiva “A Aldeia da Minha Vida” e assim a contribuir para a divulgação do nosso País.
    Parabéns pelo seu texto de Ougela, que é um local notável e espero em breve visita-lo. É pena estar tão degradado. Talvez o seu post contribua para o seu arranjo.
    Um abração
    Castela (Portugal Notável)

    ResponderEliminar
  13. Muito boa a sua noticia.
    Há coisas bonitas que desconhecemos e estas blogagens servem para lembrar o muito que por ai anda esquecido.
    Está muito bem documentada fotográficamente.

    Parabéns

    Abraços

    ResponderEliminar
  14. Uma excelente postagem!
    Não ser fácil escolher...
    :)

    ResponderEliminar
  15. lindas fotos...senti como se estivesse lá...seu País e tão lindo quanto o meu Brasil e uma pena que nossos povos não conservam a historia magnífica que temos...fuiiiiiiiiiiiii

    ResponderEliminar
  16. Está interessantíssima esta publicação.
    Espero que ganhe!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Uma aldeia um pouco semelhante à minha. É de facto triste ver uma aldeia com tanta História a degradar-se a pouco e pouco, sem que alguém faça algo, e se procupe em não deixar morrer o passado de vestígios históricos que temos, um pouco, por todo o país espalhados.
    A diferença entre nossas aldeias, é que a minha aos poucos vai sendo restaurada, e por haver quem ainda nela acredita, até investe nela, tentando a si chamar o turismo.
    Pena que os diririgentes das autarquias não aprendam uns com os outros...
    Ao menos valem-nos estes blogs, para que não caiam no esquecimento...
    Uma vida feliz!

    ResponderEliminar
  18. Jorge, pelas notificações que recebi, creio que muitos foram lhe visitar naquela outra postagem e ganhou votos. Estou na torcida. Depois me conta, ok?!
    Beijos

    ResponderEliminar
  19. VOTO NO POST DO JORGE C. REIS
    Bjoks direto do Amazonas!!!
    Malu Chaves
    http://saboreiosbonsmomentos.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  20. VOTO NO POST DO JORGE C. REIS
    Marcio Ferreira
    http://bypoesia.blogspot.com/
    Bom se for isso está valendo por fim das duvidas votei nos dois posts... ;-)

    ResponderEliminar
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  22. Voto no post do Jorge C. Reis.
    Abraços, Karina K do blog www.olhaqueuachei.com.br

    ResponderEliminar
  23. Quero agradecer ao Sr Jorge por difundir a minha bela,linda e tranquila aldeia.
    Aqui podemos encontrar o descanço e a paz que tantas vezes nos faz falta, não deixem se tiverem oportunidade de visitar.
    OBRIGADO SR JORGE REIS
    LUIS TEIXEIRA

    ResponderEliminar
  24. Excelente trabalho!
    Obrigado.
    Aprecio Campo Maior e as suas Festas do Povo.
    A amizade é o maior triunfo da vida.
    Com amizade.
    JDACT

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.