sexta-feira, 15 de maio de 2009

Siza Vieira no Alentejo


O conhecido arquitecto português Álvaro Siza Vieira explica qual foi o ponto de partida para desenhar a adega: “Na visita ao terreno encontrei dois elementos fundamentais orientadores do projecto e da implantação do edifício: uma estrada, unindo o complexo industrial, e uma afloração de argila compactada, utilizada até agora como depósito de entulho, em vazio escavado para o efeito. Existe, assim, uma leve afloração num vastíssimo território cultivado e de suave ondulação.
A integridade da paisagem natural é reforçada e ordenada pela manutenção da actividade agrícola (plantação de sobreiro e de vinha pelo Grupo Nabeiro). Estes foram os elementos determinantes, associados ao conhecimento da arquitectura da região."

Na paisagem bela e incólume que é a planície alentejana, Siza Vieira ergueu um volume horizontal, caiado a branco, dividido em dois pisos na sua maior extensão, e com um terceiro piso, destinado a uso turístico e promoção do vinho da região, incluído sobre a entrada principal, no topo sudoeste do edifício.

A serenidade que emana deste volume simples, contrasta com a complexidade que alberga no seu interior, onde convivem espaços monumentais destinados à produção, ao armazenamento, e a abertura das zonas sociais, concebidas para a prova e fruição do vinho.



O rectângulo de 40x120 metros da adega assenta na cavidade existente e ergue-se em muros de nove metros de altura. No topo sudoeste da construção situa-se o acesso de carga e de visitantes.

O edifício eleva-se um piso mais, dando acesso ao terraço panorâmico, de onde é possível observar a vinha e o olival da herdade. No topo oposto, situa-se o cais de entrega da produção. No espaço entre os dois topos estende-se um corredor onde se desenrola o processo de produção do vinho e armazenamento.

Este volume simples divide-se em duas áreas distintas: zona de produção e zona de administração, que compreende também os espaços destinados à promoção do vinho. A zona de produção desenvolve-se a cotas diferentes. Assim, a recepção das uvas faz-se através de uma rampa exterior. O processo de produção do vinho propriamente dito, que inclui fermentação de tintos e brancos, vinificadores, prensas de vácuo, armazenagem, estabilização e estágio do vinho, decorre noutra cota.



Assim distribuído o espaço, é possível distinguir claramente a área de produção, no piso 0, da área destinada aos funcionários da empresa, no piso 1, que acomoda os escritórios da administração e o laboratório de controlo de qualidade.

Siza reservou o último piso para a vertente mais social e pública do vinho. Aí foi criada a sala de provas, os sanitários públicos e a copa. Este espaço abre-se para um terraço panorâmico com relvado e um espelho de água central, onde um painel desenhado também pelo arquitecto, que sobrepõe as silhuetas de uma chávena de café, um copo e uma garrafa, é o único elemento decorativo. (Fonte: Site da Adega Mayor)

5 comentários:

  1. Sensacional, sempre ótimas notícias. parabéns.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite JORGE
    Gosto muito disto!!!
    Para que Revista é que o Jorge trabalha???!!!
    1 Abraço
    G.J.

    ResponderEliminar
  3. Gaspar
    Essa tá boa... rssssssssss
    Então aqui fica uma promessa. Abriremos uma garrafa de Reserva do Comendador quando nos encontrarmos pela primeira vez.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Nobre amigo Jorge estou visitando este expressivo espaço. Parabéns pelo excelente trabalho mostrado. Bela publicação, ótimo texto, sugestivo, que bom, lindas imagens, valeu ter passado aqui. Feliz e honrado por sua amizade. Quero avisar que tem um “PRÊMIO” esperando por você lá no Blog, não demore! Aguardo por sua visita. Sinta-se em casa. Acredito aquele que caminha sozinho pode até chegar mais rápido... Porém quem segue acompanhado de um amigo com certeza vai mais longe... Encontrar-nos-emos sempre por aqui. Votos de um alegre fim de semana, muita paz, saúde, brilho, bênçãos, proteção e sucesso. Que Deus seja luz presente no nosso caminhar. Um abraço fraterno.
    Valdemir Reis

    ResponderEliminar
  5. De novo à vida normal visto que o regresso da ilha já passou :) 10 anos foi obra. Cheguei com um punhado de rugas...lá não tinha espelho para ver rssssssssss :)

    Pipas jeitosas, para terem ido comigo para ilha :) mas o binho também não faltou porque houve quem levasse eheheh

    Belas fotos. Bjinho

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.