segunda-feira, 6 de abril de 2009

Caminhos do Algarve


A minha amiga Maria Souza, de Porto Alegre, Brasil, pediu-me, no comentário do post anterior, que falasse sobre o Algarve.

Aqui vai um pouco de história:

"As marcas da presença humana no Algarve recuam a tempos imemoriais. Exemplos disso são os milenares vestígios neolíticos e as mais recentes, mas não menos interessantes, estações arqueológicas romanas, abertas a visitas. A visita ao passado da região e à sua valiosa história faz-se também percorrendo os diversos museus arqueológicos, que encerram um vasto património ainda por descobrir. Herdeira de antigas civilizações, a região algarvia foi igualmente ponto de passagem de outros povos, numa ligação quase sempre facilitada pelo imenso mar que banha as suas costas.
Os mais de cinco séculos de influência árabe marcaram para sempre os destinos da região, a começar pelo próprio nome: Al-Gharb, O Ocidente. Esta presença, que se prolongou do séc. VIII ao séc. XIII, ainda hoje se encontra bem patente nos nomes das povoações, na agricultura, na arquitectura dos monumentos, nos rendilhados dos terraços e chaminés ou no branco da cal que teima em cobrir o casario de muitas localidades algarvias. Silves assume então a centralidade da região, fruto de uma estratégica localização geográfica.
Em meados do séc. XIII, as terras algarvias são as últimas de Portugal a serem conquistadas ao domínio muçulmano. Após longos avanços e recuos, a reconquista cristã tem a preciosa colaboração dos Cavaleiros da Ordem de Santiago, liderados por D. Paio Peres Correia, para no reinado de D. Afonso III pôr cobro à presença árabe no Algarve e unir a região ao reino de Portugal. Para além de Silves, Tavira e Faro, actual capital algarvia, são definitivamente tomada aos mouros. Fundava-se assim o Reino de Portugal e dos Algarves.
Mais tarde, no início do séc. XV, o início da expansão marítima portuguesa dá novo vigor às terras e gentes algarvias. Lagos e Sagres ficam para sempre ligadas ao Infante D. Henrique e aos Descobrimentos. Ainda hoje, na Ponta de Sagres, um gigantesco dedo de pedra aponta para o oceano Atlântico numa clara alusão à coragem dos navegadores algarvios, como Gil Eanes, que se faziam ao mar à procura de novos mundos para dar ao mundo.
Marcas desta história tão longínqua, mas ainda tão presente na alma algarvia, encontram-se espalhadas por toda a região. Visitar Aljezur, Lagos, Silves, Faro, Tavira, Castro Marim e Alcoutim é descobrir em cada museu, igreja, fortes e castelos a grandeza da história portuguesa, as suas gentes e tradições." (Fonte: Visitalgarve)

Para além do link da fonte do texto, que vos dará muita informação, optei também por aqui colocar um PDF que poderão recolher clicando na imagem abaixo.
Espero dar assim a conhecer uma belíssima região de Portugal que tantos turistas atrai.
Um beijinho para a Maria e um abraço para todos os meus seguidores do Brasil.


3 comentários:

  1. JORGE

    Estive a apreciar todo o trabalho que teve para colocar à disposição de quem se queira dele servir o PDF dos CAMINHOS DO ALGARVE.
    Prestou um bom serviço ao turimo algarvio e a todos os interessados num Algarve que não seja exclusivamente o das praias.

    A MARIA SOUZA deve ficar bem contente com tudo aquilo que o Jorge lhe mostra e informa.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  2. Excelente post! Informativo histórico-cultural; explorando o Rotas caminhos do Algarve, saí com a sensação de ser o Algarve uma mostra de paraíso, suas cercanias belíssimas, região que consegue reunir de tudo um pouco, me parece tão completo! O texto do Rotas é muito interessante e poético, faz nos fascinar! Apreciei muito conhecer a história do Algarve.
    Te envio um email hoje.
    Forte abraço Meg

    ResponderEliminar
  3. Oi Jorge!
    Sou professora de Geografia e História e fiquei maravilhada com esse relato sobre Algarve. Tenho uma turma de 5ª série na qual estou trabalhando as Grandes Navegações e quero falar sobre Algarve para eles.
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.