terça-feira, 24 de março de 2009

O montado português (5)


O Lince Ibérico e a luta pela sobrevivência

O Lince Ibérico (Lynx pardina) é um felino cujo tamanho oscila entre os 80 e os 110 centímetros, do focinho à ponta da cauda, com peso entre os 12 e os 20 Kgs.
Em contraste com os outros felinos, a cauda é extremamente curta. O pelo é cor de mel com manchas pretas no dorso e nas patas.
De cada um dos lados da cabeça apresenta longas barbas que parecem bigodes e, nas pontas das orelhas, existem pelos curtos (ou cerdas) que se julga serem receptores do pavilhão auricular e que, por isso, aumentam a audição do animal.

É um animal solitário e que define e defende o seu território, calculando-se que existe um só exemplar por cada 3 a 5 quilómetros quadrados.
Só na época do cio o macho permite a invasão dos seus terrenos por fémeas, que, após o acasalamento regressam de imediato aos seus domínios.
O tempo de gestação é de aproximadamente 2 meses e o número de filhotes é geralmente de dois.
As crias acompanham a mãe durante o primeiro ano de vida. Depois disso elas próprias procuram e delimitam o seu território.
A maturidade sexual é atingida cerca dos dois anos.

Diz-se que o seu nome deriva de Linceu, herói mitológico grego, caracterizado por ter um olhar de tal forma penetrante que furava pedras.
Na Antiguidade o lince era tido como um animal que guardava as cavernas do diabo, locais proibidos ao homem.
Na Idade Média era considerado um animal de muito valor que só os reis e os nobres podiam caçar e saborear a sua carne. Ainda hoje continua a ser considerado um animal terrível e evocado como tal em contos e lendas populares.

A causa da enorme diminuição do número de exemplares parece estar ligada a alterações da vegetação indígena, sobretudo ao plantio de grandes zona de eucaliptal e aumento das áreas de cultura, com destruição maciça do matagal mediterrânico, o habitat ideal para esta espécie.
Por outro lado, dado que o lince se alimenta sobretudo de coelhos bravos, a sua sobrevivência está directamente relacionada com a desta outra espécie, muito martirizada pela caça e pelos fogos florestais.

Em Portugal, o Lince Ibérico encontra-se nas áreas da Serra da Malcata, no Alto Alentejo interior, no vale do Sado, no Sudoeste Alentejano e no maciço xistoso algarvio (Espinhaço de Cão e Monchique). É uma espécie protegida por Lei desde 1967.


5 comentários:

  1. Que felino bonito, eu não conhecia.

    ResponderEliminar
  2. Caro amigo JORGE
    Parabéns por esta excelente postagem, mais uma das muitas que vem postando.
    Renovo os meus Parabéns.
    Abç
    G.J.

    ResponderEliminar
  3. Animal tão estranho que parece saído da imaginação...

    Bjs, Jorge! E inté!

    ResponderEliminar
  4. não me queria cruzar com um bicho deste rsssss
    mas que são lindos são, sem dúvida!

    Jorge, quando puder ajude o Eduardo a perceber o porque eu escrever "beijos para todos aí em cima" estou farta de rir :))) está no Blog dele do VARAL no post de Foto do Perfil, da Liliana ... (mas vamos brincar com ele e deixa-lo pensar primeiro ehehehe)

    ResponderEliminar
  5. ahhhh...e não vou dizer nada à marie, nem ao João... para ser o Eduardo a perguntar :)))

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.