segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Negócios na cadeia


O ex-presidente do Banco Português de Negócios (BPN) Oliveira e Costa encerrou a empresa Resnostra, em Lisboa, 22 dias depois de ter entrado em prisão preventiva, indicam documentos a que a Lusa teve acesso.

Oliveira e Costa constituiu a 30 de Junho de 2008 a Resnostra Investimentos Lda, com sede na garagem do edifício da Av. Pedro Álvares Cabral, onde o ex-presidente do Banco Português de Negócios (BPN) foi detido a 20 de Novembro, segundo dados da Coface, empresa de seguros de crédito e de informação sobre empresas.

A 12 de Dezembro, já detido em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional de Lisboa, Oliveira e Costa dissolveu a empresa, cuja Classificação de Actividade Económica (CAE) é de "Compra e Venda de Bens Imobiliários". (Fonte: Público)

Isto faz-me lembrar aqueles filmes americanos em que um cadastrado consegue, da prisão, controlar as actividades do seu gang.
Mas é pior. Aqui em Portugal, o prisioneiro até consegue efectuar actos oficiais.
Que a droga entra e é consumida nas prisões já sabíamos...