quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Portugal em recessão económica - O paradoxo


Vítor Constâncio, Governador do Banco de Portugal, anunciou por fim que Portugal entrou em recessão económica.

Do que foi dito pelo Governador do Banco de Portugal tiro várias ilações, a primeira das quais é a de que o Primeiro Ministro José Sócrates, mentiu mais uma vez aos portugueses quando, na sua recente entrevista à SIC, ignorou deliberadamente a situação real e disse que "a recessão era possível".

Ele, Primeiro Ministro, já deveria obrigatoriamente saber, nessa altura, que, como disse Vítor Constâncio, "na segunda metade de 2008, Portugal já entrou em recessão técnica (definida como dois trimestres consecutivos de crescimento negativo)".

A segunda ilação é de que, com a queda a pique das exportações, as dificuldades que as empresas atravessam, os bancos a conceder menos empréstimos, o desemprego vai crescer a níveis nunca vistos, com as consequentes dificuldades económicas para grande parte dos portugueses.

Paradoxal é o que se diz do aumento de rendimento das famílias. Afinal parece que com isto os pobres ficarão mais pobres, os ricos mais ricos e a classe média não vai dar pela crise. Já não entendo nada. Como dizia o outro: "Desculpem a ignorância do macaco".