terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Na Faixa de Gaza


Não quero expressar a minha opinião sobre o que acontece neste momento na Faixa de Gaza.
Mas quero, tão somente, constatar um facto.
Os meios de comunicação social realçam, diariamente, em textos e imagens o sofrimento do povo palestiniano.
Quase ninguém fala do que tem sofrido Israel. Porquê ?

De vez em quando aparece uma notícia de um ataque por rockets, de um ataque suicida em Telavive, em Haifa ou Jerusalém.
Mas logo se esquecem do que realmente se passa daquele lado da fronteira.

Ontem quase todas as televisões falavam em "força desproporcionada" do lado de Israel. Será ?
Será que na guerra, pois é disso que se trata, se podem (ou devem) impor limitações de força às partes beligerantes ?
Foram Iroshima e Nagasaki acções de "força despropositada" ? Foram os bombardeamentos da Alemanha "força despropositada" ?
Talvez sim... mas acabaram com o furor nipónico e nazi.

Era bom que não houvessem conflitos sangrentos entre os seres humanos. Que todos vivessem em paz e deixassem que o seu semelhante vivesse também em paz.
São sempre os mesmos votos que ouvimos nesta quadra de Fim de Ano. Para quê ?


Há crianças inocentes que sofrem de ambos os lados da fronteira

6 comentários:

  1. Força desproporcionada é usar tanques, bombas perfurantes e atingir população civil, talvez por isso a comunicação social lamenta as acções de Israel. Um povo que sofreu o que sofreu, como é o caso dos judeus, só tem um caminho e esse é o de não actuar com os palestinianos do mesmo modo que os nazis actuaram com eles.
    Boa Ano.

    ResponderEliminar
  2. Querido Jorge, estou plenamente de acordo com o teu texto... Um grande Abraço de carinho, (mandei-te uns e-maels)...
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  3. PQ

    Obrigado pela visita e comentário.

    Como eu disse, não é aqui que quero tomar partido de qualquer das partes e o meu desejo é que o conflito acabe de uma vez para sempre. Há inocentes que sofrem dos dois lados. Há população civil que morre dos dois lados.

    O que lhe deixo é a seguinte pergunta: qual é a força que considera "proporcionada" para responder aos mísseis do Hamas ?

    Ou acha que Israel não deve responder e deve aguentar em silêncio todos os ataques dos mísseis palestinianos ?

    É claro que não vou discutir aqui quem "atirou a primeira pedra", nem as origens do conflito. Isso daria pano para mangas...

    ResponderEliminar
  4. A guerra é mais uma prova da falta de capacidade do homem. E a população de ambos os lados sempre pagam um altíssimo preço por isso. Parabéns por mostrar o outro lado da moeda, Jorge.

    Abraços

    ResponderEliminar
  5. A população israelense, principalmente a do sul do país, sofre diariamente com os foguetes do Hamas, que matam civis.

    Como jornalista, entendo que o termo "desproporcional" se refere aos equipamentos que ambos dispoem. Os palestinos têm foguetes. Os israelenses têm bombas e tanques. A força com que Israel ataca os palestinos é muito mais brutal, comparada aos foguetes dos árabes.

    Israel está certa em defender seu território, rebantendo os ataques do Hamas. Não tiro o direito do estado judeu contra-atacar, mas dessa vez o ataque está sendo muito cruel.

    Não defendo nenhum lado. Não há mocinhos, nem vilões. São todos culpados. Israel e Palestina, que não conseguem (ou querem?) chegar a paz. Me parece que ambos tem prazer em ver o sofrimento alheio. Desse jeito mais sangue será derramado.

    ResponderEliminar
  6. Provavelmente quem defende as táticas utilizadas por Israel, também defenderia as táticas utilizadas pelos alemães na segunda guerra. Israel nunca cumpriu nenhuma resolução da ONU. É um país que não sabe a diferença entre um terrorista e uma criança... É uma verdadeira vergonha para a raça humana... Deveriam ser julgados por genocídio...

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.