quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Christiaan Barnard - Primeiro transplante cardíaco humano foi há 41 anos


Christiaan Barnard Neethling nasceu dia 8 de Novembro de 1922 na cidade de Beaufort West, África do Sul. O pai tinha baixos rendimentos, mas, dada a sua posição social como membro da igreja, pode proporcionar uma boa educação aos seus quatro filhos.

Christiaan frequentou escolas privadas na sua cidade natal e a Faculdade de Medicina na Universidade da Cidade do Cabo, onde se licenciou em 1953. Começou sua carreira como um cirurgião geral no Hospital Groote Schuur na Cidade do Cabo, onde o seu irmão mais velho Marius foi chefe de equipe de transplante.

Em 1955 ganha uma bolsa de estudos para a American University of Minnesota, onde, em 1958, terminou a especialidade em cardiologia.

Em 1962, foi nomeado Chefe do Serviço de Cirurgia Torácica do Hospital Groote Schuur, onde já tinha trabalhado antes.

Transplantes de órgãos já não eram uma novidade na época. O primeiro transplante renal foi feita pelo Dr. Varony em 1936. Em 1953, Hardy realizou o primeiro transplante pulmonar numa paciente com cancro, e em 1954 Murray transplantou com sucesso dois rins e fez, em 1967, um transplante triplo de rim, pâncreas e duodeno. Em 1964, disse Hardy transplantou o coração de um chimpanzé para um homem que morreu após uma hora.

Mas a 3 de Dezembro de 1967, um comunicado de imprensa chocou o mundo: um médico do sul africano havia realizado o primeiro transplante cardíaco de um ser humano. O destinatário era Louis Washkansky, um empresário, um homem optimista e corpulento de cinquenta e seis anos passou por um problema cardíaco irreversível ligado a diabetes. O doador, Denise Darvall, um jovem de vinte e cinco anos, tinha sido atropelado por um carro.

A operação, realizada por uma equipa de vinte cirurgiões sob a direcção de Barnard, durou seis horas. Ao despertar, Washkansky afirmou que se sentia muito melhor com o novo coração.

Médico e paciente foram catapultados para a fama, apesar de dezoito dias mais tarde, ao princípio da manhã de 21 de Dezembro, o doente ter morrido de pneumonia.

Apesar disso, após este marco na história da medicina, começaram a chover honrarias e distinções de todos os matizes para Barnard, tornando-o a personalidade mais popular do momento. Foi lançado para os mídia, foi fotografado com as mais famosas atrizes da época. Inúmeras especulações sobre flirts apareceram na imprensa cor de rosa, sem que ele parecesse muito preocupado com sua imagem a nível mediático mundial: a de um play-boy.

Em 2 de Janeiro de 1968 realizou o segundo transplante. Desta vez, o destinatário foi o Dr. Philip Blaiberg, e a doadora uma mulata, Clive Haupt.

O coração de um negro viveu durante 563 dias no corpo de um branco. Nessa época, em pleno regime do apartheid na África do Sul, estalou a polémica. Mas os pacientes foram ganhando expectativa de vida, graças aos medicamentos imunossupressores.

Em 1970 divorciou-se sua primeira esposa, Louwtjie, de quem teve dois filhos: André, que se suicidou em 1984, devido à separação dos pais (conforme diagnóstico da própria psiquiatra e apreciação dos progenitores), e Deirdre. Nesse mesmo ano casou com uma rica herdeira Barbara ZOELLNER, dezanove anos, filha do multimilionário alemão Frederico ZOELLNER, residente em Joanesburgo e conhecido como o "rei do aço".

Mas os seus feitos na sala de operações iriam terminar, mais cedo ou mais tarde, sempre em fracasso.

Em 1975, quando sua fama começou a diminuir, visitou Espanha para apresentar um livro, e sua nova esposa (que lhe tinha dado dois filhos, Frederico e Christian), com o objectivo de não perder a popularidade na bacia do Mediterrâneo, onde era mais lisonjeado.

Continuou a realizar transplantes cardíacos. Em 1979, porém, recusou-se a participar de uma operação de transplante de cabeça humana por achar a idéia impraticável e "provavelmente imoral." Esta afirmação salvou-lhe a honra.

Em 1981, ano em que ele promoveu seu livro A Máquina do Corpo, já sofria de artrite que se agravou a ponto de o impedir de exercer a sua profissão, sem graves riscos para os pacientes. Ainda na década de oitenta, sua esposa Barbara terminou seu casamento, e depois casou com um empresário português. Barnard tentou reconstruir a sua vida com a modelo Evelyn Entleder, de vinte e quatro anos, o que não resultou. Por fim, encontrou o equilíbrio emocional com uma outra modelo
quarenta e um anos mais nova que ele, Setzkorn Karen, com quem casou em 1983 e de quem teria dois filhos, Armin e Lara, que nasceu quando Barnard contava setenta e quatro anos de idade.

Em 1983, depois de trabalhar num hospital nos Estados Unidos, abandonou definitivamente a prática da cirurgia, mas apesar das dores, do descrédito entre os seus colegas e da perda de popularidade, ainda tentou abrir novos caminhos.

Até então tinha feito cerca de 140 transplantes, incluindo implante de um coração de um babuíno num doente vinte e cinco, que faleceu em poucas horas.

Desde 1987, dedicou-se à investigação médica e chefiou quatro equipas do Instituto Max Planck e da Universidade de Heidelberg, ambas na Alemanha, uma na Universidade de Oklahoma, nos Estados Unidos, e, finalmente, outra na Suíça. Estas equipas faziam estudos que visavam descobrir as causas do envelhecimento do organismo e dos factores biológicos presentes no feto.

Em 1993 publicou sua autobiografia, Second Life, onde além de falar da sua carreira, esclarece de forma pormenorizada as suas ligações com mulheres famosas. Nas suas viagens e nas suas palestras sempre insistiu na necessidade de uma sociedade que reconhecesse o valor da doação de órgãos.

A 2 de Setembro de 2001, no Chipre, faleceu aos setenta e oito anos, vítima de um ataque de asma, não de um ataque cardíaco como a imprensa publicou algumas horas depois da sua morte.

7 comentários:

  1. Oi Jorge!

    É muito bom acompanhar a evolução da ciência e da medicina. Esses dias pude conversar com um senhor que foi um dos primeiros a receber transplante de medula aqui no Brasil.

    Estou sentindo falta de você lá no blog.

    Beijo!

    ResponderEliminar
  2. Salve o pioneirismo!! E até os dias de hoje querem colocar na fogueira como bruxas aqueles que contribuem para descobertas e novos rumos da medicina. Beijus

    ResponderEliminar
  3. E foi ontem!!! E quantas vidas foram salvas e prolongadas depois disso!

    Grande post!

    ResponderEliminar
  4. Ótimo post meu querido,
    a evolução da medicina é uma maravilha mesmo! Beijos e uma ótima noite meu amigo!

    ResponderEliminar
  5. Olá! Encontrei hoje o seu blog e gostei muito deste post. Infelizmente estou a aguardar transplante cardíaco, tenho 26 anos. Voltarei aqui! :)

    ***

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  7. Bem, é notório que todo mundo perceba e veja Christiaan Barnard, mas não vi comentários sobre Hamilton Naki, talvez o mais habilidoso de todos os cirurgiões que compunham a equipe de Barnard. E porque não? Porque Naki era negro em um país da Apartheid, analisar o processo histórico pode ser essencial para desmistificarmos certas ideologias, entre elas as raciais e perceber que foi Naki foi escolhido pessoalmente por Barnard por ser o mais habilidoso de todos da equipe e sim conceber não Barnard o mérito desta cirurgia e sim a Naki.

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.