sábado, 15 de novembro de 2008

Tertúlias Virtuais - O meu ídolo


Eu não tenho ídolos. Não endeuso ninguém.
Admiro várias pessoas, é verdade. O facto de poder dizer "eu gosto deste ou daquele" não os tornam meus ídolos.
Ídolo tem que despertar algo que nos mova. Alguém a quem, nos actos da nossa vida, prestemos homenagem constante e até nos condicione na forma de estar, na maneira de ser, de reagir. Alguém que, naturalmente e sem qualquer tipo de pressão nos comande. Por quem nos deixamos naturalmente subjugar.
Nunca gostei de ser condicionado por ninguém.
Sou um rebelde ? Talvez seja.
Pertenço a uma geração rebelde, a "Geração de 60". E tenho orgulho disso.
O "Proibido Proibir", a "Autoridade Consentida", a "Liberdade, Igualdade, Fraternidade", isso sim poderão ser os meus ídolos. Porque são conceitos que me orientam e me seguem no dia a dia. E determinam a minha maneira de estar na vida.

Quem são os ídolos humanos ? Actores, cantores, jogadores de futebol ? Quanto tempo dura cada um ? Os ídolos humanos são efémeros. E todos, sem excepção, têm pés de barro.

........................................................................................

Eles estão entre nós,
mas a Terra roda tanto
e a gente anda tão tonta,
que nem se dá conta.

Todos os ídolos têm pés de barro,
não se engane.
Porque todos são fabricados
da mesma argila
com que fomos criados.

E todos nossos anjos e medos
também são pintados
à nossa imagem
e semelhança
de nossos segredos.

Cássia Fernandes

Deuses Mayas (Representação - Xcaret - México)

19 comentários:

  1. Pois é, é proibido proibir! Não ter ídolos, em termos absolutos, é normal. Mas todos temos um "ídolozinho"... Qual é o seu?

    ResponderEliminar
  2. Foi exactamente o que eu pensei, não tenho ídolos. Quando jovem tinha admiração por este ou aquele artista de cinema , pintor, escritor.
    Agora que sou mãe galinha, tenho admiração pelo que é meu.
    Gostei do seu texto, das fotogrfias também.

    Um abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  3. Concordo que idolatria sempre é problemática, uma obsessão, mas somos humanos e temos as nossas admirações.

    Gostei de ler.

    bjs.

    Ju Gioli

    ResponderEliminar
  4. Você rebelde??? hahahahhahah!!!

    Lindas as fotos dos Mayas por aqui.

    Eu tb tenho problemas com essa palavra "ídolo".

    Abracos

    ResponderEliminar
  5. >Alguém que, sem pressão, nos comande<, disse o Jorge, e muito bem.
    Acho que, uma vez mais, estamos em sintonia.
    Se me visitar, poderá confrontar (mas a música ainda não está, o que é uma desolação...).

    Apreciei muito a postagem das imagens !
    Muito boa a sua participação, parabéns.

    ResponderEliminar
  6. O que eu acho Jorge, é que a pessoas "vão na crista da onda"; ou seja, elegem o ídolo que a mídia consagrou e não porque desperta nos outros a afinidade necessária para ser chamada de ídolo.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  7. Jorge, muito boa postagem. Os ídolos humanos são passageiros.
    Os nossos ideais também são nossos ídolos.
    Grande abraço. Feliz final de semana.

    ResponderEliminar
  8. Esta é exactamente a postura que tenho perante o termo "ídolos".
    Daí a minha escolha...

    Obrigado pelo seu comentário.

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. O meu agradecimento a todos os que visitaram e comentaram.

    João: Onde está o seu post ?

    ResponderEliminar
  10. POIS, Jorge ...
    É o nº 5, mas recusa abrir.
    Não sei como resolver !

    QUE VERGONHA, e logo hoje !É "GRIFO PLANANTE".

    ResponderEliminar
  11. Caro Jorge;

    'É proibido proibir.'
    Sintonias dos anos 60 (além da sintonia do meu 'ídolo', ARGH!) ;)

    Também eu tenho dificuldade com ídolos e com 'valores absolutos'. Ídolos eram os da adolescência; os actores de cinema, os músicos e cantores, mais tarde os pintores, - mas logo me lembro de alguém que dizia: 'Não queiras conhecer o artista'! ;)

    Um abraço

    I.

    ResponderEliminar
  12. Caro Jorge Reis
    Tem toda a razão, todos temos as nossas referencias!
    E a geração de 60 é maior delas.
    Gosto muito do que escreveu.
    grande abraço
    Gaspar de Jesus

    ResponderEliminar
  13. É... o tempo vai passando e dos ídolos da juventude passamos apenas a admirar isto ou aquilo ou alguém.
    Velhice, amadurecimento e o reconhecimento de que tudo é efémero? Talvez...
    Um grande beijo,

    Milouska

    ResponderEliminar
  14. Viva, Jorge!

    Teimo na minha!

    Pois se até a beleza do "Liberté, Égalité, Fraternité" foi, logo de seguida, ainda mal era nascida, vilmente transformada em horrendo cortejo de cruentas enormidades jamais levadas ao Deve/Haver da História da Humanidade...

    Abraço

    Ruben

    ResponderEliminar
  15. Não existem ídolos que resistam a uma análise mais aprofundada.

    ResponderEliminar
  16. Bela ideia essa de substituir os deuses por ideias...

    ResponderEliminar
  17. Bem, eu já falei do meu ídolo lá no Acqua e acho que jogadores de futebol são ídolos para crianças que querem ser iguais a eles quando crescerem. E assim segue com cantores, atores e outros. Admiramos pessoas que tem algo incomum com a gente... Acho que é isso.
    Abraços meus e boa semana para ti...

    ResponderEliminar
  18. Não importa o nome que se de às pessoas que admiramos! Muito boa sua abordagem! Parabéns pela postagem e obrigado por ter participado!

    Forte abraço

    PS- E vamos continuar PROIBINDO PROIBIR!

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.