quarta-feira, 12 de novembro de 2008

O Pintor e o Quadro (3)


O Pintor


Amadeo de Souza-Cardoso (Manhufe, freguesia de Mancelos, Amarante, 14 de Novembro de 1887 — Espinho, 25 de Outubro de 1918) foi um pintor português, precursor da arte moderna, prosseguindo o caminho traçado pelos artistas de vanguarda da sua época. Embora tendo tido uma vida curta, a sua obra tornou-se imortal.
A sua família era rica e influenciou-o a ingressar no curso de Direito na Universidade de Coimbra. Depressa desistiu do curso e mudou-se para o curso de Arquitectura na Academia de Belas Artes de Lisboa em 1905. O curso não satisfaz o seu génio criativo, por isso parte para Paris em 1906 instalando-se em Montparnasse com a intenção de continuar a estudar. As suas primeiras experiências artísticas conhecidas foram desenhos e caricaturas, depois dedicou-se à pintura. Poder-se-á dizer que foi um pintor impressionista, expressionista, cubista, futurista mas sempre recusou qualquer rotulo. Apesar das multiplas influencias procurava a originalidade e a criatividade na sua obra. Em 1908 instala-se no número catorze da Cité de Falguière. Frequentou ateliers preparatórios para Academia de Beaux-Arts e a Academia Viti do pintor catalão Anglada Camarasa mas, apesar disso, não chega a ser admitido. Em 1910 esteve alguns meses em Bruxelas e em 1911 expôs trabalhos no Salon des Indépendants, em Paris, aproximando-se progressivamente das vanguardas e de artistas como Amedeo Modigliani, Constantin Brancusi, Alexander Archipenko, Juan Gris e Robert Delaunay. Em 1912 publicou um álbum com vinte desenhos e, em seguida, copiou o conto de Gustave Flaubert, "La Légende de Saint Julien l'Hospitalier", trabalhos ignorados pelos apreciadores de arte.

Depois de participar em 1913 numa exposição com oito trabalhos nos Estados Unidos da América, no Armory Show, voltou a Portugal, onde teve a ousadia de realizar duas exposições, respectivamente em Porto e em Lisboa. Nesse ano participou ainda no Herbstsalon da Galeria Der Sturm, em Berlim. Em 1914 encontrou-se em Barcelona com Antoni Gaudí, e parte para Madrid onde é surpreendido pelo início da I Guerra Mundial. Regressou então a Portugal, onde iniciou meteórica carreira na experimentação de novas formas de expressão, tendo pintado com grande constância ao ponto de, em 1916, expor no Porto 114 obras com o título "Abstraccionismo", que serão também expostas em Lisboa, num e noutro caso com novidade e algum escândalo.

O cubismo em expansão por toda a Europa foram influências marcantes no seu cubismo analítico.

Amadeo de Souza-Cardoso explora o expressionismo e nos seus últimos trabalhos experimenta novas formas e técnicas, como as colagens e outras formas de expressão plástica.

Em 25 de Outubro de 1918, aos 31 anos de idade, morre prematuramente em Espinho, vítima da "pneumónica" que grassava em Portugal. (Fonte: Wikipédia)

O Quadro


Corpus Christi (Amadeo de Souza-Cardoso)

7 comentários:

  1. Foi um grande pintor. Conviveu com os orfistas em Paris onde foi intimo dos Delaunay, que depois se hospedaram em casa dele em Amarante.

    O Museu Amadeu Souza Cardoso é digno de uma visita, pelas obras e pela arquietctura.Instalado no Convento Dominicano de S. Gonçalo de Amarante, os espaços foram revalorizados no sentido moderno, pelo arquitecto Alcino Soutinho,

    ResponderEliminar
  2. Considere, por favor, o meu comentário simples :
    É UM GRANDE PINTOR, QUE MERECEU DA GULBENKIAN
    A REALIZAÇÂO DE UMA EXPOSIÇÃO EXTRAORDINÁRIA !

    Além disso, MIKASMI já relatou pormenores importantes !

    ResponderEliminar
  3. Obrigado aos dois pelas achegas que complementam e enriquecem o post.

    ResponderEliminar
  4. De longe, cá do Brasil, nunca ouvira falar em amadeu Souza Cardoso. Mas a ignorância não se justifica pela distância, claro! O quadro Corpus Christi é maravilhoso.

    ResponderEliminar
  5. Não conhecia esse tão fomoso Pintor, obrigada pela informação.
    Adoro todos os segmentos das artes e a Pintura sempre me facinou muito.
    Faço alguns trabalhos mas em tecido.
    Minha porf é uma Artista Platica que uma vez ao ano vai para Portugal no Porto, para dar aula.
    Chama-se katia Pastorek.
    Lindamente bem elaborado sua matéria.
    Beijos de uma linda noite para ti!
    Rô!

    ResponderEliminar
  6. Visite-se também a Gubenkian. Lá estão excelentes quadros deste fabuloso pintor.

    ResponderEliminar
  7. Muito legal, Jorge. Mais um grande pintor português que você me apresenta.
    Abraços

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.