domingo, 2 de novembro de 2008

Nacionalização do Banco Português de Negócios


Em conferência de imprensa, no final de uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros, o ministro das Finanças justificou aquela que é a primeira nacionalização em Portugal desde 1975 com a situação "excepcional", "delicada" e "anómala" vivida por aquela instituição bancária, cujas perdas acumuladas rondam os 700 milhões de euros, das quais 360 milhões associadas a operações com o Banco Insular, de Cabo Verde.

O BPN, propriedade da Sociedade Lusa de Negócios, está "numa situação muito perto da iminente ruptura de pagamentos", sublinhou Teixeira dos Santos, lembrando que a instituição "não tendo vindo a cumprir os rácios mínimos solvabilidade" impostos pelo Banco de Portugal e não existem perspectivas de que encontre, a curto prazo, "novas fontes de liquidez".


"Face à inexistência de uma solução que permita defender o interesse dos depositantes, o Governo viu-se obrigado a propor à Assembleia da República a nacionalização do BPN", declarou o ministro, acrescentando que, já a partir de amanhã, a instituição o funcionamento da instituição será acompanhada por dois administradores do Banco de Portugal.


...

O Banco de Portugal identificou operações de "centenas de milhões de euros [no Banco Português de Negócios] que eram clandestinas", não estavam contabilizadas nas contas do banco, revelou hoje Vítor Constâncio, Governador do Banco de Portugal, em conferência de imprensa conjunta com o ministro das Finanças. (Fonte: Público)

O Banco Português de Negócios tem cerca de 300 balcões em Portugal e em 2003 estendeu a sua actividade ao Brasil.
Ainda há quem pense que a crise é pequena, que os depositantes não correm riscos, que tudo vai passar num instante...
Aguardemos.

5 comentários:

  1. São anos e anos de ma gestão à frente de quem quisesse ver. O sr Vitor Constâncio tem culpas no cartório, pois deixou andar o barco até agora.
    Na minha opinião quem tem de pagar estes prejuízos de 700 milhões são os accionistas e os outros ex-ministros do PSD que estiveram la.

    O problema do estado no meu ver é querer privatizar empresas que dão um bom lucro ao estado e, nacionalizar os prejuizos. Assim vamos longe!!!

    Qualquer dia ainda nacionalizam os clubes de futebol...

    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Fábio

    Não posso deixa de concordar consigo em tudo o que diz. Parece realmente anacrónica essa atitude de nacionalizar os falidos e privatizar os que dão lucro.

    Mas acho que ainda a procissão vai no adro e muitas mais coisas se devem vir a saber nos próximos tempos.

    Já reparou que Cabo Verde está a meio caminho entre a América Latina e a Europa e esse país não tem Marinha de Guerra para fiscalizar nem um décimo das suas águas territoriais e das suas costas ? E mais não digo ...

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Se quer que lhe diga a bem pouco tempo se o banco de portugal não se metesse em alerta o maior banco privado português o BCP ja teria sido nacionalizado.

    Sim realmente essa do cabo verde deve fazer algumas dores de cabeça ( se a tiver...) ao sr Durão Barroso.

    e o que me diz do escandalo do FCP e a sua sad? receber premios estrondosos? enfim...

    ResponderEliminar
  4. Caro Senhor

    Sobre várias alegadas operações ilegais de importação para Portugal, de colecções de objectos arqueológicos essencialmente em ouro, com proveniência espanhola, e presumivelmente do conhecimento das autoridades policiais espanholas, que as autorizaram, e são hoje propriedade de várias instituições nacionais, nomeadamente, do Banco Português de Negócios, que adquiriu uma pelo valor de cerca de seis milhões de Euros, e outras, pela Fundação Ernesto Estrada, que as adquiriu ao longo de uma década, por outros tantos milhões de Euros, e com as quais se irá criar e instalar um museu em Abrantes, com o apoio do Governo Português, recomenda-se a sua consulta no Fórum Arqueologia, na secção "Conversa Geral", nos tópicos actualmente em discução:


    http://arqueologia.informe.com/contrafacn-noo-e-contrabando-de-objectos-ditos-arqueolnigico-dt1431.html

    http://arqueologia.informe.com/dn-cada-de-noventa-n-poca-de-vandalismo-e-saques-organizad-dt1490.html

    http://arqueologia.informe.com/policia-espanhola-dt355.html

    Atenciosamente, os nossos cumprimentos.

    ResponderEliminar
  5. Alguém me poderá explicar os motivos e a forma de execução desta nacionalização? Para entender a fundo este problema.

    Desde já obrigado

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.