domingo, 14 de setembro de 2008

Zé Povinho - Rafael Bordalo Pinheiro

Zé Povinho é uma personagem de crítica social, criada por Rafael Bordalo Pinheiro e adoptada como personificação nacional portuguesa.
Apareceu pela primeira vez no 5º exemplar d'A Lanterna Mágica a 12 de Junho de 1875, num desenho alusivo aos impostos, onde se representava Fontes Pereira de Melo vestido de Stº António com o "menino" D. Luís I ao colo, enquanto Serpa Pimentel (Ministro da Fazenda) sacava o dinheiro do Zé, que permanecia boquiaberto a coçar a cabeça vestido com um fato rural gasto e roto. Ao lado, o comandante da Guarda Municipal, observa de chicote na mão, para prevenir uma eventual resistência.
De calças remendadas e botas rotas, é a eterna vítima dos partidos regenerador e progressista, dando a vitória a uns ou outros em época eleitoral. Usando como expressão corporal o manguito e a mão coçando aflita a grenha farta, foi sem dúvida um trunfo na denúncia duma economia capitalista frouxa nas páginas d'A Lanterna Mágica, berço da genial criação do símbolo do povo português. O sucesso obtido foi tal que Bordalo acabou por recriar no barro, em tinteiros, cinzeiros e apitos, a figura-símbolo do povo português ao lado da inseparável Maria da Paciência, velha alfacinha alcoviteira.
Nos números seguintes, o Zé Povinho continuou a surgir de boca aberta e a não intervir, resignado perante a corrupção e a injustiça, ajoelhado pela carga dos impostos e ignorante das grandes questões. O próprio Rafael Bordalo Pinheiro diz: "O Zé Povinho olha para um lado e para o outro e... fica como sempre... na mesma".

"Mas se ele é paciente, crédulo, submisso, humilde, manso, apático, indiferente, abúlico, céptico, desconfiado, descrente e solitário, também não deixa por isso de nos aparecer, em constante contradição consigo mesmo, simultaneamente capaz de se mostrar incrédulo, revoltado, resmungão, insolente, furioso, sensível, compassivo, arisco, activo, solidário, convivente...".(João Medina in "O Zé Povinho, caricatura do «Homo Lusitanus»")

Tem como característica principal o gesto do manguito, representando a sua faceta de revolta e insolência. Tornou-se uma figura identificativa do povo português, criticando de uma forma humorística muitos dos problemas sociais e políticos da sociedade portuguesa, e caricaturando o povo português na sua característica de eterna revolta perante o abandono e esquecimento da classe política, embora pouco ou nada fazendo para alterar a situação.

"Crescido, Zé Povinho correspondeu perfeitamente às esperanças que n'elle depositaram os solicitos poderes do reino. Como desenvolvimento de cabeça elle está mais ou menos como se o tivessem desmamado hontem. De musculos, porém, de epiderme e de coiro, endureceu e calejou como se quer, e , cumprindo com brio a missão que lhe cabe, elle paga e súa satisfactoriamente. De resto, dorme, resa e dá os vivas que são precisos. Um dia virá talvez em que elle mude de figura e mude tambem de nome para, em vez de se chamar Zé Povinho, se chamar simplesmente Povo. Mas muitos impostos novos, novos emprestimos, novos tratados e novos discursos correrão na ampulheta constitucional do tempo antes que chegue esse dia tempestuoso."
"Por tudo pois, ao resumirmos n'estes leves traços, a interessante historia de Zé Povinho, o nosso parabem cordeal a seus sabios e carinhosos paes ós Publicos Poderes." (Ramalho Ortigão)

"POIS BONS-DIAS MEUS SENHORES...

Ainda não se deram bem conta da minha existência. E sou personagem importante, o meu nome é Zé Povinho. Lá mais para o fim do século hei-de ser bem representado mas quem me vai dar vida ainda não nasceu.

O país anda às voltas. Parece que não se entendem. Isto do Rei ter fugido para o Brasil veio trazer grandes complicações. Ora uns, ora outros, todos querem o poder.
Como se não bastasse a política, juntou-se-lhe uma guerra de irmãos - D. Pedro (o Liberal) , D. Miguel (o Absolutista). E o poder vai saltando de mãos durante algum tempo até que as coisas se estabilizem.
No meio cá ando eu. Lá vou observando o que se passa. Não sou político, mas vou tirando as minhas conclusões. Não é que elas valham muito agora, mas há-de chegar um dia que todos encherão a boca com o meu nome. Aguento como posso, e quando as coisas me irritam, encho-me de força. Arreda que vai tudo em frente. Não acreditam? Pois bem, eu vos conto.
Lá por volta de 1842, estava tudo mais sereno quando um camponês, vindo da Beira, faz um golpe de direita que o leva ao poder. Não, não é o tal, este chama-se Costa Cabral e é formado em Direito e o outro será em Finanças. Só que às vezes, com homens da mesma laia, a história repete-se...
A ditadura não é do meu agrado. Em 1846 vem a proibição de enterrar os mortos nas igrejas. Mais me faz desconfiar a história dos registos de propriedades. Só me faltava agora virem mandar nas nossas terras, e ao que consta querem vendê-las aos estrangeiros. Eu rebento. Pego nas forquilhas, nas enxadas, e vou em frente. Não é o governo que se vem meter agora nos meus assuntos. A revolta é geral. Depressa se espalha pelo país. Começo lá no Norte e vou descendo por aí abaixo. Chamam-lhe Maria da Fonte. Mas eu acho que sou apenas eu - o povo. Repito: o meu nome é Zé Povinho, pois então!" (Cristina Vaz)

RAFAEL BORDALO PINHEIRO

Desenhador, ceramista: 1846 - 1905

".... não estamos filiados em nenhum partido; se o estivéssemos, não seríamos decerto conservadores nem liberais. A nossa bandeira é a VERDADE. Não recebemos inspirações de quem quer que seja e se alguém se serve do nosso nome para oferecer serviços, que só prestamos à nossa consciência e ao nosso dever, - esse alguém é um infame impostor que mente." (O Besouro, 1878)

1846: Nasce em Lisboa
1857: Nasce o irmão Columbano
1860: Inscreve-se no Conservatório
1861: Matricula-se pela 1ª vez na Academia de Belas Artes, Lisboa
1863: Amanuense na Câmara dos Pares
1866: Casa com Elvira Almeida
1867: Nasce o seu filho Manuel Augusto
1868: 1ª Exposição no salão da Promotora; é-lhe recusada Bolsa para Roma
1870: Publica o Calcanhar de Aquiles
1871: Participação na Exposição Internacional de Madrid
1875: Cria a figura do “Zé Povinho”. Parte para o Rio de Janeiro
1876: Morre a sua Mãe
1877: Lança o Psit!!!
1878: Lança O Besouro
1879: Regressa a Lisboa. Lança o António Maria
1880: Morre o seu Pai
1885: Começa o fabrico da louça artística das Caldas da Rainha
1888: Viaja pela Europa
1900: Lança A Paródia
1905: Morre em Lisboa

4 comentários:

  1. Jorge,
    Ontem (ou anteontem?) o seu homónimo do "expressodalinha" postou um também muito interessante trabalho sobre este grande Artista.
    Eu desconhecia por completo a outra designação do Zé Povinho.
    Viu?

    ResponderEliminar
  2. Olá João
    Por acaso não sou leitor assíduo do "expressodalinha", mas fui ver. Por vezes há coincidência de pensamentos. (rs).
    Obrigado pela visita e comentário.
    Fico à espera do seu blog ... já é tempo (rs) arregace as mangas e força no trabalho.
    Deve ter muita coisa boa para nos mostrar.
    Um abraço forte

    ResponderEliminar
  3. Tenho uma exposição que abre a 24 de Outº e estou a ver o que vou expôr. E tenho que pensar no Catálogo, fazer o arranjo gráfico e tudo o mais.Já tenho o "perfil", mas não sei avançar mais no blog. Nome já tem :ASSIM; ASSIM.
    Mas vai ser muito dificil antes da Exposição, que é cá no Porto.
    Obgdo. pelas suas palavras de estímulo (sempre tão importantes, sobretudo para quem é um nabo nisto).
    Grande abraço.

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.