quarta-feira, 2 de julho de 2008

D. Manuel II - O fim de uma época

Em 2 de Julho de 1932 morre, num subúrbio de Londres onde residia, o trigésimo-sexto e último Rei de Portugal, Manuel, o segundo de seu nome, por cognome O Desterrado.
Era o encerrar definitivo do regime monárquico em Portugal, já que cessaram também os ténues movimentos de revolta armada contra a República, proclamada em 5 de Outubro de 1910.
O seu corpo, que chegou a Portugal em 2 de Agosto, teve funerais de Estado e está sepultado no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.
Alguns deram-lhe o cognome de Patriota, pela atenção com que, mesmo no exílio, dispensou aos assuntos portugueses e por tudo o que manifestou no seu testamento, relativamente aos seus bens, que legou ao Estado Português.
O Desventurado, o Rei-Saudade, o Estudioso foram também cognomes que os monárquicos lhe conferiram.
Figura algo polémica, inclusive acusado de desinteresse em regressar ao país e de deserção de parte dos activistas monárquicos, esteve, contudo, sempre atento ao que se passava em Portugal, agindo, junto dos círculos políticos europeus em defesa da sua pátria.