segunda-feira, 23 de junho de 2008

Exames Nacionais de Matemática


Realizaram-se hoje os Exames Nacionais de Matemática. Tem sido unânime a opinião, quer de alunos quer de professores, de que a prova foi muito fácil.
Discute-se se deveria ser assim e há mesmo quem afirme que premeia os alunos que não trabalharam durante o ano e pouco sabem e foi uma desilusão para os que são realmente bons.
Muito ainda se vai falar sobre o assunto.

Por seu lado a Sociedade Portuguesa de Química (SPQ) criticou a existência de "questões extremamente elementares" no exame nacional de Física e Química A, realizado sexta-feira, considerando que algumas perguntas "exigem apenas que o aluno saiba ler". (...) Num breve parecer disponibilizado na Internet, exclusivamente sobre a parte de Química, a Sociedade salienta que "todas as perguntas [do exame] se ficam por questões extremamente elementares", criticando ainda a persistência na prova "de algumas questões já 'batidas' em anos anteriores".(…)

Por mim quero realçar aquilo que ouvi numa reportagem com várias entrevistas no Telejornal do Canal 1 da RTP.
Uma aluna disse: Foi muito fácil sim. Não admira. A Ministra quer resultados e por isso ...
Vindo de uma aluna, que acabou de fazer o exame, isto é significativo.
Não importa se os alunos saem preparados ou não, o que interessa é que não reprovem.
Desgraçado país o nosso !!!

4 comentários:

  1. eu tambem sou aluno de 12 ano e certo eu fiz o exame e sim o exame foi acessivel mas é engracado como reagem as pessoas às situacoes, quando os exames eram mais difíceis toda a gente queixava-se e agora que foram mais "faceis" queixam.se tambem entao em que ponto ficamos? "Os pais e os professores e certos alunos", porque digo eu fiquei contente quando vi o exame porque tive dificuldades ao longo do ano e sim eu trabalhei para contariar esse efeito mas não o consegui e tive que anular a matricula e estava dependente do exame, preferem que hajam milhares de alunos todos os anos a chumbarem nos exames ou preferem que eles sigam para a universidade e aí é cada um por si proprio e é onde se revelam os grandes alunos, porque sinceramente ver o filho ficar retido na secundaria durante anos por causa de matematica não é nada agradavel, e aos alunos que se queixam do facilitismo so se for agora porque se lhes correu tao bem o exame quando virem a nota(que de certo sera bem alta) ai estarao a agradecer aos deuses porque assim poderao entrar para o tao desejado curso de medicina gracas a nota de matematica, afinal quem é aqui o hipocrita?

    ResponderEliminar
  2. Meu caro amigo Anónimo

    Não é só a Matemática, afinal.

    Se eu fosse seu professor, o meu caro amigo ficaria também retido em Português.
    Não é qualquer Anónimo que pode ter liberdades de Saramago ... e escrever mal, sem acentuação e sem pontuação.
    E também lhe digo outra coisa: se eu fosse empresário, nunca o meu amigo Anónimo teria emprego na minha empresa. Porque se esconde atrás do anonimato, porque não sabe escrever português e porque, pelos vistos, também não é bom aluno a matemática.

    Obrigado pela visita e pelo comentário. Volte sempre.

    ResponderEliminar
  3. Não tenho problemas em dizer a minha identidade o meu nome é João Pedro Pires Ribeiro, não sou mau aluno a matemática, pois tive nos anos anteriores no 10º-14 e no 11º-13 mas este argumento não é muito forte pois o senhor pode refutar com mil e um argumentos pois não consigo mostrar-lhe o papel a verificar-lhe isso. E desde já peco desculpa pelos meus erros de ortografia, e sim consegui passar a português no exame nacional. Obrigado por sua opinião, tenha uma boa tarde.

    ResponderEliminar
  4. Muito bem João
    Obrigado por ter voltado.
    Não peça desculpa. Não me ofendeu, não tem que pedir desculpas de nada. O seu comentário foi feito com correcção. Limitou-se a dizer a sua opinião e eu a minha.
    Sou adepto da liberdade de expressão, desde que não se seja mal educado. E o meu caro João não o foi.
    Parabéns por isso.
    Abraço
    Jorge

    ResponderEliminar

Obrigado pela visita. Agradeço o seu comentário.