segunda-feira, 31 de Março de 2014

Última moda

A foto não é minha mas não há dúvida, que se assim for, vai ser uma primavera e pêras... sobretudo com este frio e com esta chuva.

( desconheço o autor da foto )

segunda-feira, 20 de Janeiro de 2014

"O alentejano é uma raça apurada"


Há pouco, estava eu com a televisão ligada, quando uma entrevista com o escritor Santana-Maia Leonardo me chamou a atenção. Fui à procura do texto lido pelo seu autor. Espero que o autor não se zangue comigo mas a minha costela do Alentejo não me deu hipóteses de resistir a divulgá-lo. Aqui está ele:

«O alentejano é uma raça apurada»

"A raça do alentejano? É, assim, a modos que atravessado. Nem é bem branco, nem preto, nem castanho, nem amarelo, nem vermelho…. E também não é bem judeu, nem bem cigano. Como é que hei-de explicar? É uma mistura disto tudo com uma pinga de azeite e uma côdea de pão.

Dos amarelos, herdámos a filosofia oriental, a paciência de chinês e aquela paz interior do tipo “não há nada que me chateie”; dos pretos, o gosto pela savana, por não fazer nada e pelos prazeres da vida; dos judeus, o humor cáustico e refinado e as anedotas curtas e autobiográficas; dos árabes, a pele curtida pelo sol do deserto e esse jeito especial de nos escarrancharmos nos camelos; dos ciganos, a esperteza de enganar os outros, convencendo-os de que são eles que nos estão a enganar a nós; dos brancos, o olhar intelectual de carneiro mal morto; e dos vermelhos, essa grande maluqueira de sermos todos iguais.

O alentejano, como se vê, mais do que uma raça pura, é uma raça apurada. Ou melhor, uma caldeirada feita com os melhores ingredientes de cada uma das raças. Não é fácil fazer um alentejano. Por isso, há tão poucos.

É certo que os judeus são o povo eleito de Deus. Mas os alentejanos têm uma enorme vantagem sobre os judeus: nunca foram eleitos por ninguém, o que é o melhor certificado da sua qualidade.

Conhecem, por acaso, alguém que preste que já tenha sido eleito para alguma coisa? Até o próprio Milton Friedman reconhece isso quando afirma que «as qualidades necessárias para ser eleito são quase sempre o contrário das que se exigem para bem governar».

E já imaginaram o que seria o mundo governado por um alentejano? Era um descanso."

Inverno


domingo, 19 de Janeiro de 2014

Estilo Neomanuelino


O Palácio Real localiza-se na Mata Nacional do Buçaco, freguesia do Luso, concelho da Mealhada, distrito de Aveiro, em Portugal.

Considerado como o último legado dos reis de Portugal constitui-se em um conjunto arquitectónico, botânico e paisagístico único na Europa, onde está instalado atualmente o Palace Hotel do Buçaco, categorizado como um dos mais belos e históricos hotéis do mundo.

O edifício foi projetado no último quartel do século XIX pelo arquiteto italiano Luigi Manini, cenógrafo do Teatro Nacional de São Carlos. Contou ainda com intervenções, em diferentes fases, dos arquitetos Nicola Bigaglia, Manuel Joaquim Norte Júnior e José Alexandre Soares.

Encontra-se classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1996.

O edifício do atual hotel, em estilo neomanuelino, está decorado com painéis de azulejos, frescos e quadros alusivos à Epopeia dos Descobrimentos portugueses, todos eles assinados por alguns dos grandes mestres das artes.

A estrutura exibe perfis da Torre de Belém lavrados em pedra de Ançã, motivos do claustro do Mosteiro dos Jerónimos, alguns arabescos e florescências do Convento de Cristo, alegando um gótico florido com episódios românticos em contraste com uma austera severidade monacal.

Em seu interior destacam-se notáveis obras de arte de grandes mestres portugueses da época, desde a colecção de painéis de azulejos do mestre Jorge Colaço, evocando Os Lusíadas, os Autos de Gil Vicente e a Guerra Peninsular, graciosas esculturas de António Gonçalves e de Costa Mota, telas de João Vaz ilustrando versos da epopeia marítima de Luís Vaz de Camões, frescos de António Ramalho e pinturas de Carlos Reis. O mobiliário inclui peças portuguesas, indo-portuguesas e chinesas, realçadas por faustosas tapeçarias. Destaque ainda para o tecto mourisco, o notável soalho executado com madeiras exóticas e a galeria real.

(fonte: Wikipédia)

quinta-feira, 14 de Novembro de 2013

Tristeza no olhar


Silêncio

Não sou muito de divulgar publicamente sentimentos mais pessoais, mas ontem, no carro em viagem, ouvi uma música e, sem que eu saiba porquê, parte da letra ficou-me cá dentro.
Aqui vai:

Às vezes o silêncio é de ouro
Outras de prata
Umas de chumbo
E por vezes mata

 ( in O teu murmúrio, by O'questrada)

terça-feira, 5 de Novembro de 2013

Ilógico ou outra coisa qualquer

Esta saltou-me à vista em Malta.
Um anúncio que se dirigirá, em princípio, a franceses está escrito em inglês?
Será que eu não estou a ver bem? Ou sou eu que não entendo o alcance do marketing maltez?